Hipertireoidismo e Hipotireoidismo

Hipertireoidismo e Hipotireoidismo 

É muito comum ouvir alguém comentar que está com hipertireoidismo ou hipotireoidismo. Como esses dois nomes são muito parecidos muitas vezes à gente acaba confundindo e não sabe qual dessas duas doenças da tireoide pode levar a perda de peso e qual pode levar ao ganho de peso.

Antes de qualquer coisa é importante saber que a tireoide é  uma glândula do nosso organismo que produz hormônios que tem como uma das suas principais funções regular o metabolismo.

HipertireoidismoResulta da secreção excessiva de hormônios da tireoide, como a tiroxina (T4) ou tri-iodotironina (T3). Os principais sintomas são: perda de peso devido ao aumento da taxa metabólica basal, depleção muscular, sudorese, tremor, taquicardia, intolerância ao calor, insensibilidade ao frio, nervosismo, apetite aumentado e exoftalmia (“olhos saltados”). A nutrição tem um importante papel no tratamento do hipertireoidismo sendo que um dos principais objetivos é prevenir ou tratar as complicações que acompanham o hipermetabolismo como o emagrecimento e a desmineralização óssea.

Tratamento nutricional:

– Beber de 3 a 4 litros de líquido por dia para repor perdas a partir de diarreia e sudorese. Água, sucos de frutas (melancia, melão, limonada, acerola), chás (camomila, erva-doce, capim-limão) e leite.

– Alimentos ricos em cálcio e vitamina D para evitar ou corrigir osteoporose. Fontes de cálcio: leite, queijos, amêndoa, brócolis e couve-flor. Fontes de vitamina D: sardinha, salmão, creme de leite, manteiga.

– Alimentos ricos em ferro para evitar ou corrigir anemia. Consumir feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico, carne bovina magra, fígado, carne de soja.

– Alimentos ricos em vitamina A por ser antioxidante e precursor do colágeno. Abóbora, cenoura, salsa, fígado, escarola, alfafa, couve, espinafre.

– Alimentos ricos em vitamina C por ser antioxidante precursor do colágeno e facilita absorção do ferro. Fontes: acerola, morango, goiaba, laranja, manga, kiwi, pimentão.

– Alimento rico em vitaminas B1, B2 e B3 para favorecer a oxidação dos nutrientes na oferta energética. Fonte de B1: levedo de cerveja, amendoim. Fonte de B2: fígado, castanha-de-caju, abacate. Fonte de B3: carne bovina magra (alcatra, músculo, patinho).

– Alimentos ricos em fibra solúvel para prevenir ou tratar diarreia e reduzir triglicerídeos. Fontes: cenoura cozida, arroz principalmente integral, banana, batata, maçã, pera, pêssego, limão.

– Submeter à cocção, repolho, couve-de-bruxelas, couve, nabo, aipim, brócolis, couve-flor, amendoim (contêm substâncias que aumentam os efeitos colaterais dos medicamentos antitireoide).

EVITAR:

– Excesso de sal (cloreto de sódio) e alimentos ricos em sódio, em caso de exoftalmia (pela retenção de fluído nos olhos). Fontes: caldo de carne em cubo, carne-seca, azeitona, bacon, leite em pó, enlatados, embutidos.

– Bebidas ricas em cafeína, pois são estimulantes e desidratam: café, chá-preto, mate, chocolate, Coca-Cola, guaraná em pó.

– Alimentos ricos em fibras insolúveis: farelo de trigo, excesso de folhosos, mamão, laranja.

– Bebidas alcoólicas por promoverem hipoglicemia.

– Doces para evitar elevação dos triglicerídeos (TG): bolos, tortas, balas, caramelos, doce concentrados.

HipotireoidismoCaracterizado pela redução na atividade da glândula tireoide (T3 e T4 estão diminuídos), a partir de procedimentos cirúrgicos, doença autoimune ou hipofunção da hipófise. Os principais sintomas são: pele seca, fadiga, ganho de peso, lentidão na fala, apatia mental, constipação, redução da audição, dificuldade de memorizar e intolerância ao frio. Os principais objetivos da nutrição é controlar o ganho de peso resultante do baixo metabolismo (redução de 15 a 40%), tratar anemia, dislipidemia (colesterol elevado) e constipação intestinal.

Dar preferências para:

– Alimentos laxativos para melhorar a constipação. Fontes: abacaxi, agrião, alface, ameixa seca, berinjela, pimentão vermelho e amarelo, quiabo, cenoura crua, beterraba crua, cereais integrais, aveia em flocos, mamão, laranja.

– Ingerir de 1 a 2 litros de água por dia.

– Submeter à cocção: repolho, couve-de-bruxelas, couve, nabo, mandioca, brócolis, couve-flor, soja, amendoim (contém substâncias bociogênicas que bloqueiam a captação de iodo pela glândula tireoide).

– Alimentos ricos em zinco (para adequada função da tireoide). Fontes: agrião, pasta de gergelim, carne bovina magra, salsinha.

– Alimentos ricos em cobre (para adequada função da tireoide). Fontes: nozes, castanha, fígado, crustáceos, uva passa e abóbora.

– Sal iodado, peixes e frutos do mar (fontes de iodo).

– Azeite de oliva extra virgem (eleva HDL-c (chamado de “bom colesterol”) e reduz LDL-c (conhecido como colesterol “ruim”)).

– Alimentos ricos em ferro devido à hipoexcitação da medula óssea. Fontes: feijão, grão-de-bico, lentilha, ervilha, carne bovina magra (patinho, coxão mole e duro, músculo, alcatra).

EVITAR:

– Gordura saturada: óleo e leite de coco, manteiga, leite integral, queijos amarelos, bacon, toucinho, carne bovina gorda (acém, contrafilé).

– Gorduras trans: margarina com 80% de lipídios, biscoito recheados, bolos industrializados, congelados industrializados.

– Sal (cloreto de sódio) e alimentos ricos em sódio: enlatados, embutidos, azeitona, caldo de carne em cubos, carne-seca, leite em pó.

Fonte: Livro Manual de Nutrição Clínica